Notícias

Realeza da Avifauna Portuguesa em Campo de Alimentação no Alentejo

Numa mesma semana a LPN registou a presença de uma Águia-imperial-ibérica adulta e de uma Águia-real imatura num dos campos de alimentação para aves necrófagas instalado no Vale do Guadiana – duas das mais ameaçadas e as maiores águias de Portugal!




Apesar de predadoras, tanto a Águia-imperial como a Águia-real alimentam-se também de cadáveres de outros animais como forma de complemento à sua dieta, nomeadamente os juvenis e imaturos.

Este registo assume particular interesse no contexto das medidas de conservação implementadas pela LPN no terreno, por demonstrar que não são apenas os abutres e as águias juvenis ou imaturas que utilizam a Rede de Campos de Alimentação, mas também adultos destas grandes águias, atestando igualmente a relevância destas estruturas para a recuperação de uma espécie tão rara e ameaçada como a Águia-imperial.

Recordamos que para além do habitat, o Abutre-preto e a Águia-imperial partilham uma importante ameaça, a escassez de alimento, devido à diminuição de presas naturais como o coelho-bravo e, no caso dos abutres em particular, devido à obrigatoriedade de eliminação de carcaças de animais que morrem no campo (pecuária).

 

Águia-imperial-ibérica (Aquila adalberti) adulta a alimentar-se de uma carcaça [centro da foto]

Águia-real (Aquila chrysaetos) imatura a alimentar-se de uma carcaça [centro da foto]


A Rede de Campos de Alimentação para Aves Necrófagas no Alentejo

Desde a sua implementação em 2012, a Rede de Campos de Alimentação para Aves Necrófagas implementada no Alentejo pelo LIFE Habitat Lince Abutre, um projeto liderado pela LPN, já mereceu a visita das mais ameaçadas e raras aves de rapina do nosso país! O destaque vai naturalmente para a espécie que motivou a implementação desta medida, o Abutre-preto, uma ave que se alimenta exclusivamente de carcaças de animais mortos (necrófaga obrigatória) e que já é visitante regular de vários campos da rede.

Esforço de recuperação do Abutre-preto no Alentejo continua!

Desde 2015 que o Abutre-preto voltou a nidificar no Alentejo, depois de mais de 40 anos sem se reproduzir na região. O primeiro nascimento foi confirmado pela LPN em 2015, e resultou da incubação de um ovo num ninho artificial para esta espécie instalado no âmbito do LIFE Habitat Lince Abutre na Herdade da Contenda, em Moura. O trabalho iniciado com este projeto segue agora com um novo desafio transfronteiriço – o projeto POCTEP Orniturismo – que tem como objetivo a conservação das aves necrófagas e o desenvolvimento socioeconómico sustentável do território transfronteiriço Alentejo-Andaluzia através da promoção do turismo ornitológico!
Mais informações em: habitatlinceabutre.lpn.pt | www.facebook.com/lpnatureza

Conservar a Águia-imperial-ibérica

Exclusiva da Península Ibérica, é uma das aves de rapina mais ameaçadas da Europa e está entre as mais raras do mundo. Após uma ausência de cerca de 20 anos enquanto reprodutora, a Águia-imperial-ibérica voltou a nidificar em Portugal em 2003. O Projeto LIFE Imperial, liderado pela LPN, é uma oportunidade para restabelecer a população nacional de Águia-imperial, criando condições para o seu aumento através da aplicação de um conjunto de ações de conservação que visam reduzir o impacte das ameaças sobre a espécie, contribuindo para a sua conservação a longo prazo.
Mais informações em: lifeimperial.lpn.pt | www.facebook.com/LIFEImperial