É urgente a inclusão de medidas para combater a fast fashion nas leis sobre têxteis da União Europeia

A indústria têxtil é cada vez mais uma problemática em debate, sendo uma indústria pouco regulamentada e fonte de vários tipos de poluição, até mesmo uma das maiores causas da poluição por microplásticos devido às fibras sintéticas.

 

A LPN junta-se a mais 25 ONG europeias que rejeitam acordos voluntários para limpar a indústria da moda, pedindo que a próxima legislação têxtil da União Europeia (UE) responsabilize as marcas pela sua contribuição para a poluição global. Algumas das maiores redes de grupos verdes da Europa1 estão a unir forças para exigir o fim da moda rápida na indústria têxtil, um dos maiores poluidores industriais do mundo2. Como parte da campanha Wardrobe Change, as ONG estão a exigir novas políticas para parar a superprodução descontrolada de têxteis. As medidas propostas incluem padrões mínimos de quanto tempo as roupas devem durar, proibição da destruição de mercadorias não vendidas e devolvidas, regras para verificar e substanciar alegações sobre produtos verdes e metas ambiciosas para uma redução absoluta na quantidade de recursos naturais usados em toda a cadeia de abastecimento.

 

São pedidas também medidas urgentes sobre o uso de produtos químicos perigosos na moda e medidas para combater os danos ambientais, incluindo ações para acabar com as violações dos direitos humanos e dos trabalhadores nas cadeias de abastecimento. Esta necessidade e chamada de atenção surge enquanto a produção de roupas e têxteis continua a crescer3,4, apesar de muitas iniciativas de sustentabilidade de grandes marcas de moda.

 

A Comissão Europeia está atualmente - até 4 de agosto de 2021 - a recolher reações da indústria e de organizações da sociedade civil, com o objetivo de apresentar uma proposta legislativa para a estratégia até ao final do ano.

 

 

 

(1) Os membros da coligação Wardrobe Change incluem os seguintes grupos e seus membros: European Environmental Bureau (EEB), ECOS, RREUSE, Plastic Soup Foundation, Zero, Future in Our Hands, Changing Markets Foundation, HEJ Support, Generation Climate Europe e Green Liberty.

 

Também a apoiar este documento estão: Fair Trade Advocacy Office (FTAO), Polish Zero Waste Association, Runder Tisch Reparatur, Zero Waste Europe, Umweltdachverband, FOCISV, Rede Ambiental Irlandesa, WECF França, Instituto Povod Eslovênia, Fundação ISD Polônia, Na Mysli, OKOBURO, WECF Holanda, Liga para a Proteção da Natureza (LPN) e Wontanara.

 

(2) 675 milhões de toneladas de matérias-primas são utilizadas anualmente para alimentar o consumo de vestuário, calçado e têxteis para o lar na UE - uma média de 1,3 toneladas por cidadão da UE. (fonte: Agência Ambiental Europeia 2019)

 

(3) A quantidade total de roupas produzidas no mundo duplicou entre 2000 e 2015; em 2017, as famílias da UE gastaram 527,9 biliões de euros em roupas e produtos têxteis (fonte: Agência Ambiental Europeia 2019)

 

(4) Espera-se que o mercado global de fast fashion cresça de US $ 25 bilhões em 2020 para US $ 40 biliões em 2025 (fonte: Research and Markets 2021)

Subscreva a
nossa Newsletter

Se deseja receber informação atualizada sobre a LPN, por favor insira o seu email:

©2018 Liga para a Protecção da Natureza.

Powered by bluesoft.pt